PERITONITE INFECCIOSA FELINA (PIF)

A Peritonite Infecciosa Felina (PIF) é uma doença viral infecto-contagiosa, sistêmica, imunomediada, progressiva e fatal, que afeta não só gatos domésticos, mas também outros felídeos.

É considerada hoje a principal causa infeciosa de morte dos gatos domésticos, pois seu diagnóstico definitivo é difícil e muitas vezes confirmado apenas após a necrópsia.

Todos os gatos são suscetíveis à infecção, porém a incidência é maior nos animais jovens, na faixa etária de 3 meses a 3 anos, e nos idosos.

Outros fatores como, estresse, susceptibilidade genética, doenças intercorrentes como FIV e FeLV, capacidade imune, uso de fármacos imunossupressores, influenciam o aparecimento da PIF.

A transmissão acontece por via oro-fecal, o vírus é adquirido por meio do contato direto de gatos não infectados com fezes de um felino portador, geralmente pelo uso mútuo da liteira (caixa de areia).

A doença manifesta-se de duas formas: efusiva (húmida) e não-efusiva (seca), com base na quantidade de derrame cavitário (ascite ou hidrotórax).

Inicialmente, os gatos apresentam sinais clínicos inespecíficos e não localizados como febre persistente e não responsiva a antibióticos, anorexia, inatividade, perda de peso, vômito, diarréia, desidratação e palidez (anemia).

À medida que a doença avança, os sinais inespecíficos progridem e a PIF manifesta-se ou na forma úmida (efusiva) , ou na seca (não efusiva). Alguns gatos apresentam características de ambas as formas. 

O prognóstico da doença é bastante reservado, pois a PIF é progressiva e fatal.

A forma efusiva: é responsável por cerca 60% dos caso, é classificada pela presença de efusão pleural, peritoneal e/ou pericárdica, além de outras manifestações inespecíficas como desidratação, anorexia , febre e perda de peso.

Na efusão peritoneal ocorre aumento de volume abdominal de consistência macia e flutuante, tendo o animal ascite composta por fluido altamente protético e na maioria das vezes, amarelado e viscoso. A efusão torácica causa normalmente dispnéia e taquipnéia, podendo gerar cianose e/ou respiração de boca aberta. 

A forma não efusiva: é responsável por cerca de 40% dos casos com mortalidade mais tardia.

Nesta forma, granulomas desenvolvem-se em diversos locais, sendo as manifestações clínicas extremamente variáveis, apresentando alterações inespecíficas (como febre intermitente não responsiva a antibióticos, perda de peso progressiva, icterícia, letargia e disorexia) e envolvendo órgãos como pulmão, fígado, rins, pâncreas, linfonodos mesentéricos, omento, olhos e sistema nervoso central.

Além disso, o animal pode apresentar lesões oculares, sendo as mais comumente observadas são as uveítes e precipitados queratóticos.

Manifestações neurológicas, ocorrem em cerca de 301%-50% dos gatos acometidos, as mais comuns são: anisocoria, nistagmo, ataxia, incoordenação, convulsão, hiperestesia, hiper-reflexia, propriocepção reduzida, paralisia de cauda, head tilt, depressão mental, paralisia, entre outros.

 

Fonte: VETScience Magazine. Abril, 2014.

 

 

 

HIPERTERMIA MALIGNA
CARCINOMA/ADENOCARCINOMA/COLANGIOCARCINOMA DO DUCTO BILIAR
DISPLASIA RENAL
SÍNDROME DO OVÁRIO REMANESCENTE
FÍSTULA INFRAORBITÁRIA
FÍSTULA ORONASAL
CARCINOMA DE CÉLULAS ESCAMOSAS EM CÃES
COLAPSO TRANQUEIA
ESPIRRO REVERSO
HEMANGIOSSARCOMA
HEMANGIOMA CUTÂNEO CANINO
PERIODONTIA
HIPOGLICEMIA
INSULINOMA
SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA VIRAL FELINA (FIV)
TRICOBEZOAR
VÕMITO CRÔNICO EM GATOS
NEOPLASIA PROSTÁTICA
PROSTATITES
CISTOS E ABSCESSOS PROSTÁTICOS
HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA (HPB)
AFECÇÕES PROSTÁTICAS EM CÃES
CORONAVÍRUS FELINO
CISTITE IDIOPÁTICA FELINA (CIF)
TÉTANO
UROLITÍASE
DISQUERATINIZAÇÃO
DESVIOS (SHUNTS) PORTOSSISTÊMICOS CANINOS
HIGROMA
DOENÇA DO SACO ANAL
PEDICULOSE
ISOSPOROSE
TOXOPLASMOSE
HIPERADRENOCORTICISMO CANINO / SÍNDROME CUSHING
DOENÇA RENAL CRÔNICA
ARRITMIAS CARDÍACAS
INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA
BORDETELLA
CLAMIDIOSE
ERLIQUIOSE FELINA
BABESIOSE CANINA
BARTONELOSE FELINA /ARRANHADURA DO GATO
ANAPLASMOSE OU TROMBOCITOPENIA CÍCLICA
MICOPLASMA FELINA
FEBRE MACULOSA
DERMATITE ATÓPICA CANINA / ATOPIA
DERMATITE ÚMIDA / ECZEMA ÚMIDO
FISTULA PERIANAL
HIPOADRENOCORTICISMO / DOENÇA DE ADDISON
HIPOTIREOIDISMO CANINO
PROBLEMAS NOS OLHOS
PERITONITE INFECCIOSA FELINA (PIF)
MASTOCITOMA
ENDOCARDITE BACTERIANA
LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA
LARVA MIGRANS VISCERAL
LEPTOSPIROSE CANINA
DERMATOFITOSE / MICROSPORUM CANIS
DERMATITE ACRAL POR LAMBEDURA
PULGAS
DEMODICOSE CANINA/ SARNA DEMODÉCICA
DIROFILARIOSE
SARNA OTODÉCICA / SARNA DA ORELHA
SARNA SARCÓPTICA / ESCABIOSE CANINA
DIABETES MELLITUS
SÍNDROME DA DISFUNÇÃO COGNITIVA
FeLV – LEUCEMIA VIRAL FELINA
TRAQUEOBRONQUITE INFECCIOSA CANINA
DOENÇA DO TRATO URINÁRIO INFERIOR FELINOS
OTITES
RAIVA
DOENÇA PERIODONTAL
GIARDÍASE
LARVA MIGRANS CUTÂNEA
CALICIVÍRUS FELINO
HERPESVÍRUS FELINO/RINOTRAQUEÍTE VIRAL FELINA
BOTULISMO
HIPERPLASIA ENDOMETRIAL CÍSTICA E PIOMETRA
DIPILIDIOSE
PARVOVIROSE
ERLIQUIOSE CANINA
CINOMOSE