HIPERTERMIA MALIGNA

A hipertermia maligna (HM) é uma desordem farmacogenética potencialmente fatal.

Sabe-se que a principal causa de hipertermia maligna em cães e gatos está relacionada ao aumento da temperatura corpórea em um curto intervalo de tempo, podendo chegar a mais de 42°C, no caso de animais expostos ao intenso calor.

Outras condições de hipertemia maligna também estão relacionadas com algumas doenças de vias aéreas superiores, especialmente em cães braquicefálicos (por exemplo: Bulldog inglês ou francês, Pug, Boxer, Shih tzu, Lhasa apso) que apresentam diferenças anatômicas de trato respiratório superior, complicações anestésicas (anestésicos inalatórios), os relaxantes musculares despolarizantes (succinilcolina) , excesso de atividade física  em ambientes quentes e alguns tipos de veneno como a estricnina, todas elas podendo levar ao óbito, caso esses animais não sejam tratados em tempo hábil.

Durante uma crise de HM,  essas condições são gatilhos para desencadear um imenso acúmulo de cálcio (Ca2+) no mioplasma, o que leva a uma aceleração do metabolismo e atividade contrátil do músculo esquelético.

Esse estado hipermetabólico gera calor e leva à hipoxemia, acidose metabólica, rabdomiólise e um rápido aumento da temperatura corporal, que pode ser fatal se não reconhecida e tratada precocemente.

Complicações adicionais e potencialmente fatais incluem a coagulação intravascular disseminada, insuficiência cardíaca congestiva, isquemia intestinal e síndrome compartimental dos membros associada a um edema muscular profundo .

Os cães e gatos apresentam pequena quantidade de glândulas sudoríparas em seu organismo, sendo que a troca de calor ocorre basicamente pelo nariz, boca e coxins.

Assim, em dias mais quentes, e dependendo da atividade a que é submetido nosso paciente, o metabolismo não tem condições de manter uma troca de ar satisfatória, e a temperatura do corpo vai aumentando gradativamente em algumas horas.

É bastante comum a ocorrência desse quadro em pacientes que são levados a passeios em horas mais quentes do dia e/ou por tempo prolongado, mesmo que em horários com temperatura mais baixa.

Sintomas:
Os principais sintomas que chamam a atenção do responsável pelo animal são cansaço, respiração ofegante, salivação excessiva, relutância à andar, andar cambaleante, perda de consciência, podendo apresentar convulsões e síncopes (“desmaios”).

Podem ocorrer queimaduras nas patas se o chão estiver muito quente. Várias alterações metabólicas estão ocorrendo ao mesmo tempo, e somente um médico veterinário poderá avaliar e controlar tais alterações.

É de extrema importância que os donos de animais que apresentem esses sintomas reconheçam o que está acontecendo, e imediatamente providencie uma forma de resfriar o bichano para em seguida levá-lo a um estabelecimento veterinário para atendimento e tratamento complementar se necessário.

Os primeiros socorros são fundamentais para evitar alterações renais e hepáticas graves, distúrbios de coagulação, além de evitar quadros de choque que podem levar à parada cardiorrespiratória e até mesmo óbito dos nossos bichos.

Se você suspeitar que seu cão ou gato apresenta início de hipertermia maligna, pare o que está fazendo e procure agir imediatamente. Algumas dicas de tratamento e prevenção podem ajudá-lo nesse momento.

– resfrie seu animal com água fria (banhos e toalhas umidecidas são boas dicas) – PEÇA AJUDA se for necessário, caso seu cão seja de grande porte e esteja desmaiando ou com fraqueza generalizada;

– ofereça sorvete próprio para cães;

– passeie com ele nas horas mais “frescas” do dia – evite o horário das 10:00h às 17:00h;

– evite que seu amigo “de 4 patas” fique preso dentro do carro fechado ou amarrado em correntes ao sol;

– em dias muito quentes, sempre leve um borrifador com água gelada e vá borrifando a pele do animal durante o passeio. Procure afastar os pelos para melhor aplicação;

– durante o passeio, procure descansar em sombras e ofereça água a eles;

– se seu cão faz “Agility”, procure evitar treinamento por tempo prolongado. Deixe-o descansar para recuperação e controle das trocas de calor;

– redobre todos os cuidados se seu cão ou gato tiver pelame muito longo e denso. A tosa desses animais é uma excelente opção para as épocas mais quentes do ano;

– procure um médico veterinário para a continuidade do tratamento assim que estabilizar o quadro clínico;

Fonte: http://blog.bichomaps.com.br/cuidados-com-os-pets-no-calor/Dra. Patricia Moraes

HIPERTIREOIDISMO EM FELINOS
CONSTIPAÇÃO CRÔNICA EM FELINOS
INTOXICAÇÃO POR BUFOTOXINAS EM CÃES
TUMORES MAMÁRIOS
FÍSTULAS PERIANAIS
PERIODONTIA / DOENÇA PERIODONTAL
HEPATITE INFECCIOSA CANINA
PARAINFLUENZA
CORONAVIROSE
ADENOVIROSE CANINA
OFTALMOLOGIA VETERINÁRIA
CELULITE JUVENIL CANINA
HIPERTERMIA MALIGNA
CARCINOMA/ADENOCARCINOMA/COLANGIOCARCINOMA DO DUCTO BILIAR
DISPLASIA RENAL
SÍNDROME DO OVÁRIO REMANESCENTE
FÍSTULA INFRAORBITÁRIA
FÍSTULA ORONASAL
CARCINOMA DE CÉLULAS ESCAMOSAS EM CÃES
COLAPSO TRANQUEIA
ESPIRRO REVERSO
HEMANGIOSSARCOMA
HEMANGIOMA CUTÂNEO CANINO
ODONTOLOGIA VETERINÁRIA
HIPOGLICEMIA
INSULINOMA
SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA VIRAL FELINA (FIV)
TRICOBEZOAR
VÕMITO CRÔNICO EM GATOS
NEOPLASIA PROSTÁTICA
PROSTATITES
CISTOS E ABSCESSOS PROSTÁTICOS
HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA (HPB)
AFECÇÕES PROSTÁTICAS EM CÃES
CORONAVÍRUS FELINO
CISTITE IDIOPÁTICA FELINA (CIF)
TÉTANO
UROLITÍASE
DISQUERATINIZAÇÃO
DESVIOS (SHUNTS) PORTOSSISTÊMICOS CANINOS
HIGROMA
DOENÇA DO SACO ANAL
PEDICULOSE
ISOSPOROSE
TOXOPLASMOSE
HIPERADRENOCORTICISMO CANINO / SÍNDROME CUSHING
DOENÇA RENAL CRÔNICA
ARRITMIAS CARDÍACAS
INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA
BORDETELLA
CLAMIDIOSE
HEMOPARASITOSES EM GATOS
DERMATITE ATÓPICA CANINA / ATOPIA
DERMATITE ÚMIDA / ECZEMA ÚMIDO
HIPOADRENOCORTICISMO / DOENÇA DE ADDISON
HIPOTIREOIDISMO CANINO
PROBLEMAS NOS OLHOS
PERITONITE INFECCIOSA FELINA (PIF)
MASTOCITOMA
ENDOCARDITE BACTERIANA
LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA
LARVA MIGRANS VISCERAL
LEPTOSPIROSE CANINA
DERMATOFITOSE / MICROSPORUM CANIS
DERMATITE ACRAL POR LAMBEDURA
PULICIOSE – PULGAS
DEMODICOSE CANINA/ SARNA DEMODÉCICA
DIROFILARIOSE
SARNA OTODÉCICA / SARNA DA ORELHA
SARNA SARCÓPTICA / ESCABIOSE CANINA
DIABETES MELLITUS
SÍNDROME DA DISFUNÇÃO COGNITIVA
FeLV – LEUCEMIA VIRAL FELINA
TRAQUEOBRONQUITE INFECCIOSA CANINA
DOENÇA DO TRATO URINÁRIO INFERIOR FELINOS
OTITES
RAIVA
GIARDÍASE
LARVA MIGRANS CUTÂNEA
CALICIVÍRUS FELINO
HERPESVÍRUS FELINO/RINOTRAQUEÍTE VIRAL FELINA
BOTULISMO
HIPERPLASIA ENDOMETRIAL CÍSTICA E PIOMETRA
DIPILIDIOSE
PARVOVIROSE
HEMOPARASITOSES EM CÃES
CINOMOSE