CASTRAÇÃO EM FÊMEAS! CADELAS E GATAS!

     CASTRAÇÃO EM FÊMEAS!

           O procedimento cirúrgico é denominado OVARIOSALPINGOHISTERECTOMIA,

          no qual consiste na retirada dos ovários, tubas uterinas e útero.

          A indicação mais comum é a esterilização eletiva.

           

           Em gatas, a recomendação da castração é antes do primeiro cio.

  • Gatas tem chances maiores de desenvolver neoplasias mamárias malignas.
  • A realização do procedimentos em GATAS, antes do primeiro cio reduz a incidência de tumores mamários para 9%, e após 14%.

           Em cadelas, a recomendação da castração é pelo porte (tamanho).

  • Em cadelas de grande porte, a castração é indicada  entre o segundo e terceiro cio. Onde já ocorreu o fechamento da sínfise pélvica, e também reduz riscos de linfomas, osteossarcoma, mastocitoma cutâneo e distúrbios esqueléticos.
  • Em cadelas de pequeno e médio porte, a castração é indicada após o primeiro cio.                                  Mas vale salientar, que estudos mostram que se o procedimento for realizado ante do primeiro cio, reduz a incidência de tumores mamários para menos de 1% . Após o primeiro cio o risco vai para 8%. Após o segundo cio o risco vai para 26%.
  • A etiologia dos neoplasmas mamários é multifatorial, estando envolvidos fatores genéticos, ambientais, nutricionais e hormonais, sendo então que tanto as gatas, como as cadelas em algum momento da vida, pode desenvolver uma neoplasia mamária.
  • Mas a castração das fêmeas é altamente protetora contra o aparecimento de tumores de mama.
  • Os tumores mamários (neoplasias) progridem para sítios metastáticos, como linfonodos regionais e pulmão, com menor frequência para figado, rins, osso, pele, cérebro e glândula adrenal.
  • Evita infecções uterinas (PIOMETRA), doença que atinge até 60% das fêmeas.
  • Impede a ocorrência de torção uterina e ruptura de útero.
  • Descarta a possibilidade de neoplasias uterinas.
  • Previne prolapso de útero.
  • Previne hiperplasia vaginal.
  • Impossibilita a ocorrência de cistos ovarianos.
  • Anula os hormônios que causam pseudociese (gravidez psicológica).
  • Em casos de gravidez indesejada, evita o abandono da ninhada.
  • Evita continuidade de doenças hereditárias, tais como hérnias em geral, luxação de patela, displasia coxo-femural dentre outras.
  • A recuperação é rápida e a retirada dos pontos é feita entre 7 – 10 dias
  • A prescrição das medicações para o pós operatório como antibióticos, anti inflamatórios e analgésicos deve ser respeitada e administrada corretamente pela via indicada e horário.
  • Os cuidados no pós operatório são essenciais para o sucesso da cirurgia.
  • Outras ressalvas quanto a castração precoce são : pode predispor a episódios repetidos de cistite e vulvo-vaginite; incontinência urinária; deixar as fêmeas menos ativas; predisposição a obesidade; alteração da textura da pelagem; mais irritadiças; alterar a aparência quando adulta.
  • Converse sempre com seu Médico Veterinário, tire todas suas dúvidas, não banalize o procedimento cirúrgico.

    OS ANIMAIS SE TORNAM MAIS SAUDÁVEIS E SUA EXPECTATIVA DE VIDA AUMENTA!

 

 

NEOPLASIAS CUTÂNEAS
VERMINOSE EM GATOS
VERMINOSE EM CÃES
HIPOPLASIA DE ESMALTE DENTÁRIO
POSIÇÃO DE ORAÇÃO !
HIPERTIREOIDISMO EM FELINOS
CONSTIPAÇÃO CRÔNICA EM FELINOS
INTOXICAÇÃO POR BUFOTOXINAS EM CÃES
TUMORES MAMÁRIOS
FÍSTULAS PERIANAIS
PERIODONTIA / DOENÇA PERIODONTAL
HEPATITE INFECCIOSA CANINA
PARAINFLUENZA
CORONAVIROSE
ADENOVIROSE CANINA
OFTALMOLOGIA VETERINÁRIA
CELULITE JUVENIL CANINA
HIPERTERMIA MALIGNA
CARCINOMA/ADENOCARCINOMA/COLANGIOCARCINOMA DO DUCTO BILIAR
DISPLASIA RENAL
SÍNDROME DO OVÁRIO REMANESCENTE
FÍSTULA INFRAORBITÁRIA
FÍSTULA ORONASAL
CARCINOMA DE CÉLULAS ESCAMOSAS EM CÃES
COLAPSO TRANQUEIA
ESPIRRO REVERSO
HEMANGIOSSARCOMA
HEMANGIOMA CUTÂNEO CANINO
ODONTOLOGIA VETERINÁRIA
HIPOGLICEMIA
INSULINOMA
SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA VIRAL FELINA (FIV)
TRICOBEZOAR
VÕMITO CRÔNICO EM GATOS
NEOPLASIA PROSTÁTICA
PROSTATITES
CISTOS E ABSCESSOS PROSTÁTICOS
HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA (HPB)
AFECÇÕES PROSTÁTICAS EM CÃES
CORONAVÍRUS FELINO
CISTITE IDIOPÁTICA FELINA (CIF)
TÉTANO
UROLITÍASE
DISQUERATINIZAÇÃO
DESVIOS (SHUNTS) PORTOSSISTÊMICOS CANINOS
HIGROMA
DOENÇA DO SACO ANAL
PEDICULOSE
ISOSPOROSE
TOXOPLASMOSE
HIPERADRENOCORTICISMO CANINO / SÍNDROME CUSHING
DOENÇA RENAL CRÔNICA
ARRITMIAS CARDÍACAS
INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA
BORDETELLA
CLAMIDIOSE
HEMOPARASITOSES EM GATOS
DERMATITE ATÓPICA CANINA / ATOPIA
DERMATITE ÚMIDA / ECZEMA ÚMIDO
HIPOADRENOCORTICISMO / DOENÇA DE ADDISON
HIPOTIREOIDISMO CANINO
PROBLEMAS NOS OLHOS
PERITONITE INFECCIOSA FELINA (PIF)
MASTOCITOMA
ENDOCARDITE BACTERIANA
LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA
LARVA MIGRANS VISCERAL
LEPTOSPIROSE CANINA
DERMATOFITOSE / MICROSPORUM CANIS
DERMATITE ACRAL POR LAMBEDURA
PULICIOSE – PULGAS
DEMODICOSE CANINA/ SARNA DEMODÉCICA
DIROFILARIOSE
SARNA OTODÉCICA / SARNA DA ORELHA
SARNA SARCÓPTICA / ESCABIOSE CANINA
DIABETES MELLITUS
SÍNDROME DA DISFUNÇÃO COGNITIVA
FeLV – LEUCEMIA VIRAL FELINA
TRAQUEOBRONQUITE INFECCIOSA CANINA
DOENÇA DO TRATO URINÁRIO INFERIOR FELINOS
OTITES
RAIVA
GIARDÍASE
CASTRAÇÃO EM FÊMEAS! CADELAS E GATAS!
CASTRAÇÃO EM MACHOS! CÃES E GATOS!
LARVA MIGRANS CUTÂNEA
CALICIVÍRUS FELINO
HERPESVÍRUS FELINO/RINOTRAQUEÍTE VIRAL FELINA
BOTULISMO
HIPERPLASIA ENDOMETRIAL CÍSTICA E PIOMETRA
DIPILIDIOSE
PARVOVIROSE
HEMOPARASITOSES EM CÃES
CINOMOSE