DOENÇA DO SACO ANAL

DOENÇAS SITE

A doença do Saco Anal é um distúrbio mais comum da área anal nos pequenos animais, especialmente em cães e rara em gatos.

Todos os cães e gatos, possuem 2 (duas) estruturas chamadas de Saco Anal, similar a uma bolsa, e dentro de cada  bolsa  uma glândula chamada de glândula adanal ou glândula do saco anal.

Fica localizada lateralmente ao ânus, não visível externamente

Estas glândulas produzem um material (fluído) oleoso de coloração amarelo-acastanhada extremamente fétido, que tem função basicamente de defesa e identificação social.

Elas se comunicam com meio externo, através de seus canais, pequenas aberturas localizadas na mucosa anal.

Sempre que o animal defeca, estas glândulas são esvaziadas pela pressão que a passagem das fezes produz no canal, ou seja são esvaziadas durante a defecação normal e passeio.

Esta secreção pode também ser libertada para marcação do território ou como meio de defesa contra outros animais.

A Etiologia da doença é pouco compreendida.

Classificação:

Essas classificações provavelmente representam uma série, na qual os sacos anais impactados tendem a se inflamar ou infectar, e a infecção pode levar a abscedação , finalmente a ruptura ou fistulação.

  1. Impactação: ocorre um endurecimento do conteúdo glandular, de modo que a secreção não é mais eliminada fisiologicamente, causando acúmulo de conteúdo no saco anal, que acaba gerando dor e incomodo ao animal.
  2. Infecção (Saculite): quando há crescimento bacteriano nas secreções dos Sacos Anais tornando-se amareladas ou com pus e sangue. No caso de uma Saculite, além da compressão manual dos Sacos, o animal deve ser sujeito a antibioterapia sistêmica. 
  3. Abcesso: ocorre secundariamente à impactação e infecção, ocorrendo o rompimento do saco anal. Eritema perianal, edema, exsudação e febre são sinais clínicos encontrados.
  4. Ruptura/ Fistulação: é considerada doença progressiva crônica, caracterizada por tratos fistulados ulcerantes, profundos e supuração nos tecidos perianais.

Predisposição:

  • As afecções dos Sacos Anais são mais frequentes em raças de cães pequenos como Poodles Miniatura, Chihuahuas e Toy Poodles, podendo no entanto, aparecer em qualquer raça e tamanho.
  • Maior predisposição em animais obesos uma vez que a drenagem dos Sacos fica dificultada.
  • Os gatos raramente têm problemas com os seus Sacos Anais.
  • Não há predisposição sexual nem etária.

Fatores de risco:

  • Dietas muito ricas em gordura;
  • Fezes moles crónicas;
  • Episódio de diarreia recente;
  • Hipersecressão glandular;
  • Disfunção do esfíncter anal externo;
  • Animais parasitados.

Sintomas:

  • Tenesmo (defecação dolorosa e prolongada);
  • Protuberância da região anal;
  • Prurido (coceira) perineal, o ato de esfregar a bundinha no chão;
  • Dermatite piotraumática local;
  • Ato de mordiscar e perseguir  a cauda;
  • Dor e desconforto quando sentados;
  • Animais cheiram/ lambem a zona perineal excessivamente;
  • Corrimento sangrento e com cheiro desagradável na zona perineal

Como prevenir:

  • Evitar o excesso de peso do animal.
  • Optar por dietas ricas em fibra ( podem, em alguns casos, ajudar a diminuir a impactação).
  • A frequência com que os sacos anais devem ser esvaziados, varia de animal para animal. A melhor opção é deixar que seja o próprio animal a alertar-nos quando os sacos estão cheios, através da manifestação dos sinais clínicos compatíveis.E sempre ser realizada pelo Médico Veterinário.

O exame do conteúdo do saco anal pode ser:

  • Saco Anal normal- contém fluido marrom-amarelado pálido ou claro.
  • Saco Anal impactado – apresenta material espesso, marrom e pastoso.
  • Saculite anal  –  exsudato fluido amarelo cremoso ou amarelo-esverdeado.
  • Abscesso do Saco Anal – geralmente contém exsudato marrom-avermelhado.

 Tratamento:

  • O tratamento vai desde a comprimir manualmente a estrutura,
  • Lavar com clorexidina,
  • Antibióticos locais,
  • Anti-inflamatório,
  • Compressas mornas na região
  • O tratamento cirúrgico também pode ser realizado, mas a incontinência fecal pode ocorrer como complicação pós-operatória.

Diagnóstico diferencial:

  • Neoplasia (Câncer) do Saco Anal ou Perineal;
  • Fístulas Perineias;
  • Traumatismos (mordeduras);
  • Infecção Perivulvar.

 

Referência Bibliográfica:

Dermatologia de Pequenos Animais. Ano 2003.

Birchard. Scherding J. Manual Saunders. Clínica de Pequenos Animais . São Paulo: Roca, Ano 1998.

Ettinger. S. J; Feeldman, E.C. Tratado de Medicina Interna Veterinária. Rio Janeiro: Guanabara, Ano 2004.

 

 

 

 

 

HIPOPLASIA DE ESMALTE DENTÁRIO
HIPERTIREOIDISMO EM FELINOS
CONSTIPAÇÃO CRÔNICA EM FELINOS
INTOXICAÇÃO POR BUFOTOXINAS EM CÃES
TUMORES MAMÁRIOS
FÍSTULAS PERIANAIS
PERIODONTIA / DOENÇA PERIODONTAL
HEPATITE INFECCIOSA CANINA
PARAINFLUENZA
CORONAVIROSE
ADENOVIROSE CANINA
OFTALMOLOGIA VETERINÁRIA
CELULITE JUVENIL CANINA
HIPERTERMIA MALIGNA
CARCINOMA/ADENOCARCINOMA/COLANGIOCARCINOMA DO DUCTO BILIAR
DISPLASIA RENAL
SÍNDROME DO OVÁRIO REMANESCENTE
FÍSTULA INFRAORBITÁRIA
FÍSTULA ORONASAL
CARCINOMA DE CÉLULAS ESCAMOSAS EM CÃES
COLAPSO TRANQUEIA
ESPIRRO REVERSO
HEMANGIOSSARCOMA
HEMANGIOMA CUTÂNEO CANINO
ODONTOLOGIA VETERINÁRIA
HIPOGLICEMIA
INSULINOMA
SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA VIRAL FELINA (FIV)
TRICOBEZOAR
VÕMITO CRÔNICO EM GATOS
NEOPLASIA PROSTÁTICA
PROSTATITES
CISTOS E ABSCESSOS PROSTÁTICOS
HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA (HPB)
AFECÇÕES PROSTÁTICAS EM CÃES
CORONAVÍRUS FELINO
CISTITE IDIOPÁTICA FELINA (CIF)
TÉTANO
UROLITÍASE
DISQUERATINIZAÇÃO
DESVIOS (SHUNTS) PORTOSSISTÊMICOS CANINOS
HIGROMA
DOENÇA DO SACO ANAL
PEDICULOSE
ISOSPOROSE
TOXOPLASMOSE
HIPERADRENOCORTICISMO CANINO / SÍNDROME CUSHING
DOENÇA RENAL CRÔNICA
ARRITMIAS CARDÍACAS
INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA
BORDETELLA
CLAMIDIOSE
HEMOPARASITOSES EM GATOS
DERMATITE ATÓPICA CANINA / ATOPIA
DERMATITE ÚMIDA / ECZEMA ÚMIDO
HIPOADRENOCORTICISMO / DOENÇA DE ADDISON
HIPOTIREOIDISMO CANINO
PROBLEMAS NOS OLHOS
PERITONITE INFECCIOSA FELINA (PIF)
MASTOCITOMA
ENDOCARDITE BACTERIANA
LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA
LARVA MIGRANS VISCERAL
LEPTOSPIROSE CANINA
DERMATOFITOSE / MICROSPORUM CANIS
DERMATITE ACRAL POR LAMBEDURA
PULICIOSE – PULGAS
DEMODICOSE CANINA/ SARNA DEMODÉCICA
DIROFILARIOSE
SARNA OTODÉCICA / SARNA DA ORELHA
SARNA SARCÓPTICA / ESCABIOSE CANINA
DIABETES MELLITUS
SÍNDROME DA DISFUNÇÃO COGNITIVA
FeLV – LEUCEMIA VIRAL FELINA
TRAQUEOBRONQUITE INFECCIOSA CANINA
DOENÇA DO TRATO URINÁRIO INFERIOR FELINOS
OTITES
RAIVA
GIARDÍASE
LARVA MIGRANS CUTÂNEA
CALICIVÍRUS FELINO
HERPESVÍRUS FELINO/RINOTRAQUEÍTE VIRAL FELINA
BOTULISMO
HIPERPLASIA ENDOMETRIAL CÍSTICA E PIOMETRA
DIPILIDIOSE
PARVOVIROSE
HEMOPARASITOSES EM CÃES
CINOMOSE